A pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) pode ter contribuído para a população brasileira usar mais suplementos alimentares. Ao menos é o que sugere um levantamento encomendado pela Associação Brasileira da Indústria de Alimentos Para Fins Especiais e Congêneres (Abiad).

Foram realizadas 275 entrevistas no mês de maio nas cidades de Porto Alegre, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador, Fortaleza, Brasília e Belém. Em todo os lares avaliados, pelo menos um morador recorria aos suplementos. O estudo indica que 48% desses usuários passaram a ingerir mais multivitamínicos e ans. Outros 47% mantiveram a mesma taxa de consumo, enquanto apenas 5% diminuíram

De acordo com a engenheira de alimentos Tatiana Pires, presidente da Abiad, o crescimento era esperado. “Os respondentes já se preocupavam com a saúde. Na pesquisa que realizamos anteriormente, concluímos que eles mantêm um estilo de vida equilibrado e buscam informações sobre isso”, relata.

No período da pandemia, a maior justificativa para o aumento da busca foi melhorar a imunidade (63%), sendo que 9% dos indivíduos mencionaram especificamente a Covid-19. Os três tipos mais procurados foram multivitamínicos (28%), vitamina C (26%) e vitamina D (8%).

Mas atenção: não há evidência de que suplementos reduzam o risco de infecção pelo novo coronavírus. Em um documento que aborda diferentes tratamentos contra essa infecção, a Sociedade Brasileira de Infectologia arma: “Não há comprovação de benefício do uso de vitaminas C ou D, nem de suplementos alimentares, como zinco, exceto em pacientes que apresentam hipovitaminose ou carência mineral”.

O recado, aliás, não vale apenas no contexto do Sars-CoV-2. De acordo com uma revisão de 29 estudos liderada pelo Instituto Cochrane, a suplementação de vitamina C não preveniu resfriados, por exemplo. A substância pode reforçar o sistema imune, mas em doses normais, que são atingíveis com uma alimentação minimamente balanceada.

No mais, extrapolar a dose diária preconizada de certos nutrientes por meio da suplementação pode aumentar o risco de problemas de saúde, como mostramos neste especial.

Chama a atenção o dado de que apenas 20% dos participantes do levantamento da Abiad consultaram prossionais da saúde antes de aumentar o consumo de suplementos na pandemia. Tatiana pondera que as pessoas avaliadas já eram acompanhadas por especialistas e que a suplementação não necessariamente precisa de endosso médico.

Antes da Covid-19, segundo dados da entidade, pouco mais da metade dos usuários de suplementos o fazia seguindo orientação de um médico ou nutricionista. A redução nas consultas observada agora é, de acordo com a Abiad, reexo direto do isolamento social e do maior distanciamento dos prossionais no período. A questão é: como saber se você sofre alguma carência sem exames ou uma avaliação pormenorizada da dieta?

Por m, o estudo revela que 70% daqueles que aumentaram o consumo desses produtos desejam manter o hábito após a pandemia. Para Tatiana, a ideia faz sentido se pensarmos que a maioria dos brasileiros não atinge a meta de ingerir pelo menos 400 gramas de frutas, verduras e legumes, como sugere a Organização Mundial da Saúde (OMS).

“Os suplementos alimentares são aliados para fornecer nutrientes e complementar uma alimentação saudável. Ao longo dos últimos cinco anos, desde a primeira pesquisa sobre os hábitos de consumo no Brasil, houve um amadurecimento do uso da categoria, maior consciência do consumidor e segurança no uso”, analisa a presidente da Abiad.

Nutrientes em prol da imunidade Ok, o excesso de uma ou outra vitamina pode não trazer proteção adicional contra o coronavírus. Mas, de fato, há substâncias presentes em alimentos que, na quantidade adequada, beneciam o sistema imunológico de maneira geral.

O zinco (mineral encontrado em carnes, frutos do mar, peixes, cereais integrais) é um deles. A aclamada vitamina C, presente em frutas cítricas e famosa por seu potencial antioxidante, é outro. A capacidade antioxidante do selênio, abundante na castanha-do-Pará, também o coloca como aliado contra infecções.

Algumas pesquisas dão conta de que a vitamina D, obtida por meio da exposição aos raios solares e do consumo de certos pescados, favoreceria o trabalho das nossas células de defesa.

A melhor forma de obter quantidades adequadas dessas substâncias é através da dieta e de bons hábitos. Se houver carências, o prossional de saúde pode prescrever exames e suplementos para corrigi-las.

Fuente: Veja Saúde